Connect with us

Mundo

Mulheres casadas de 25 a 44 anos são maioria na obtenção do green card

Published

on

Mulheres casadas de 25 a 44 anos são maioria na obtenção do green card

Renata Stoica vive em San Carlos, cidade da Califórnia, nos Estados Unidos. Formada em enfermagem, ela saiu do Brasil pensando em ficar apenas alguns meses fora. “Eu vim para aperfeiçoar meu inglês, meu objetivo era voltar para o Brasil e mudar de área, eu queria trabalhar com pesquisa clínica”, lembra.  

Renata chegou a voltar para o Brasil. Mas, depois, casada com um americano, seguiu novamente para os Estados Unidos e conseguiu o green card, visto permanente de residência. Hoje ela é dona de uma fábrica de brigadeiros. 

A paulista faz parte de uma estatística que mapeia o perfil dos brasileiros que tiveram concedido o green card. A maioria deles é formada por mulheres, casadas, e a Califórnia está entre os estados mais procurados. 

O levantamento foi feito pelo escritório de advocacia AG Immigration com dados de 2021 – o mais recente disponível. Dos mais de 18 mil green cards emitidos, 57,8% foram para mulheres, sendo que 58,8% tinham entre 25 e 44 anos. Além disso, 77,6% eram casadas.  

Em relação aos homens, eles receberam 42,2% dos green cards em 2021, sendo que 53,4% tinham entre 25 e 44 anos e 70,8% eram casados. 

A maior parte dos vistos permanentes (57,8%) foi concedida pela via de parentesco com cidadãos americanos. Em geral, são brasileiros que se casaram com um americano ou familiares imediatos (pais, cônjuges e filhos solteiros menores de 21 anos) de um brasileiro que se tornou cidadão americano.  

Trabalho qualificado 

Outros 37,52% dos green cards foram dados para profissionais com habilidades excepcionais e extraordinárias ou trabalhadores das mais diversas áreas que vão para os Estados Unidos com o objetivo específico de trabalhar, sendo, na maioria das vezes, patrocinados por um empregador americano.  

“As oportunidades de trabalho que existem aqui estimulam essa vinda de brasileiro. Cada vez mais temos visto profissionais renomados vindo para cá, em um movimento de fuga de cérebros. Os brasileiros não estão vindo mais apenas para ocupar os chamados subempregos”, avalia Felipe Alexandre, da AG Immigration, que mora nos Estados Unidos. 

Entre os principais estados que atraem brasileiros com green card, a lista é liderada pela Flórida (28%), especialmente a cidade de Orlando. Em seguida vêm Massachusetts (11%), Califórnia (10%), Nova Jersey (6%) e Nova York (5,46%). 

Brasileiros no exterior 

Até o fim do ano passado, havia aproximadamente 4,5 milhões de brasileiros residentes no exterior, segundo o Ministério de Relações Exteriores (MRE). Para efeito de comparação, se essa fosse a população de um estado brasileiro, seria o 13º mais populoso.   

A maior comunidade estrangeira está nos Estados Unidos, cerca de 1,9 milhão, número mais de cinco vezes maior que o segundo país, Portugal (360 mil.) Em seguida vêm Paraguai (254 mil), Reino Unido (220 mil) e Japão (207 mil).  

O MRE oferece serviço de assistência aos brasileiros no exterior por meio de 196 postos de representações diplomáticas e consulares. São atendimentos que vão de emissão de documentos a alistamento militar, passando por situações emergenciais como hospitalizações, mortes e disputas de guarda de menores. Além disso, a rede consular brasileira organiza seções eleitorais em 97 países para quase 700 mil brasileiros que se inscreveram para votar nas eleições no exterior.   

Para o MRE, a presença de brasileiros no exterior é parte fundamental do esforço de promoção da imagem do Brasil no mundo. “Ao compartilhar nossa cultura, por meio de nossas histórias, nossa música, nossa gastronomia e nosso modo de vida, os brasileiros tornam-se representantes dos valores do nosso país”, diz trecho do documento Comunidades Brasileiras no Exterior, do MRE. “É nesse sentido que os consulados atuam, também, na identificação de oportunidades para incentivar eventos de capacitação e integração das comunidades em suas localidades de residência”, completa.Saudade 

Uma questão para os brasileiros que vivem nos Estados Unidos é lidar com a saudade. “Hoje em dia, WhatsApp, ligação por vídeo e redes sociais acabam aproximando as pessoas. Então dá uma sensação de que a gente está mais perto da família e, quando a gente mora fora, isso faz uma diferença muito grande. Eu gosto da minha vida aqui, e a saudade que sinto é uma saudade saudável, não é uma saudade que me faz ter tristeza por estar longe”, diz Renata. “Conseguimos visitar a família no Brasil uma vez por ano e, quando eles podem, também vêm nos visitar”, conclui. 

As informações e opiniões são de responsabilidade da Agência Brasil – EBC.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Bombardeios russos na Ucrânia matam 6 e danificam Porto de Odessa

Published

on

By

Bombardeios russos na Ucrânia matam 6 e danificam Porto de Odessa

Ataques aéreos e bombardeios russos mataram seis pessoas na Ucrânia e causaram “danos significativos” à infraestrutura do porto de Odesa, no Mar Negro, e a instalações de armazenamento de grãos, disseram autoridades ucranianas nesta segunda-feira (25).

Os ataques aéreos fazem parte de uma campanha para dificultar a exportação de produtos pela Ucrânia, grande produtora de grãos, desde que Moscou desistiu de um acordo em meados de julho que havia permitido os embarques ucranianos pelo Mar Negro e ajudado a combater uma crise global de alimentos.

Oleh Kiper, governador da região de Odesa, disse que as instalações atingidas continham quase mil toneladas de grãos e que os corpos de dois homens foram encontrados sob os escombros de um armazém onde os alimentos eram armazenados.

Os militares da Ucrânia disseram que 19 drones Shahed de fabricação iraniana e 11 mísseis de cruzeiro foram abatidos durante a noite, a maioria deles direcionados à região de Odesa. As instalações de armazenamento de grãos que foram destruídas foram atingidas por dois mísseis supersônicos, disse Kiper.

O Ministério da Energia disse que os danos às redes elétricas cortaram a energia de mais de mil consumidores na região, uma lembrança dos ataques aéreos que, às vezes, deixaram milhões de ucranianos sem aquecimento e luz no frio congelante do último inverno.

Kherson

Um homem de 73 anos e uma mulher de 70 foram mortos em um ataque aéreo separado na cidade de Beryslav, na região sul de Kherson, segundo as autoridades.

O chefe administrativo da cidade – o principal centro da região – disse mais tarde que dois moradores da cidade haviam morrido e outros dois ficaram feridos em um bombardeio russo.

O Ministério da Defesa da Ucrânia disse que o último ataque aéreo foi “uma tentativa patética” de retaliar um ataque ao quartel-general da marinha russa do Mar Negro na sexta-feira (22).

Ao anunciar a última entrega de armas, Zelenskiy disse que os tanques Abrams já haviam chegado à Ucrânia e estavam sendo preparados para entrar em ação.

“Sou grato aos nossos aliados por cumprirem os acordos. Estamos buscando novos contratos e expandindo nossa geografia de suprimentos”, disse Zelenskiy, que visitou os Estados Unidos na semana passada.

O contra-ataque da Ucrânia incluiu a intensificação de seus ataques que, segundo Moscou, atingiram alvos na Rússia e na Crimeia, a península tomada e anexada por Moscou em 2014.

O Ministério da Defesa da Rússia disse hoje que suas defesas aéreas abateram drones sobre a parte noroeste do Mar Negro, sobre a Crimeia e sobre as regiões russas de Kursk e Belgorod. Não foram mencionadas mortes.

Kiev afirma que os ataques aéreos contra instalações portuárias e de grãos têm o objetivo de impedir a exportação para o mundo, e os comerciantes globais acompanham de perto a situação por medo de mais interrupções nos mercados mundiais.

A Ucrânia está transportando cada vez mais grãos ao longo do rio Danúbio, por estrada e por trem, e estabeleceu um “corredor humanitário” que abraça a costa do Mar Negro para transportar grãos para os mercados africanos e asiáticos. Os dois primeiros navios que transportam grãos para usar o corredor deixaram o porto de Chornomorsk, no Mar Negro, na semana passada.

*É proibida a reprodução deste conteúdo

As informações e opiniões são de responsabilidade da Agência Brasil – EBC.

Continue Reading

Mundo

Países se preparam para luta em torno de combustíveis fósseis na COP28

Published

on

By

Corpo da menina Eloah será enterrado nesta segunda-feira

Faltando dois meses para a cúpula COP28 da Organização das Nações Unidas (ONU), os países estão longe de conseguir reduzir as discordâncias entre os que exigem um acordo para eliminar gradualmente os combustíveis fósseis que causam o aquecimento do planeta e as nações que insistem em preservar um papel para o carvão, o petróleo e o gás natural.

A conferência COP28 em Dubai, programada para 30 de novembro a 12 de dezembro, é vista como uma oportunidade crucial para os governos acelerarem ações para limitar o aquecimento global, mas os países continuam divididos quanto ao futuro dos combustíveis fósseis — cuja queima é a principal causa das mudanças climáticas.

“A humanidade abriu as portas do inferno” ao aquecer o planeta, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, em uma cúpula climática de um dia realizada paralelamente à Assembleia Geral da entidade, na qual ele lamentou a “ganância nua e crua” dos interesses dos combustíveis fósseis.

Outros países que produzem ou dependem de combustíveis fósseis enfatizaram o uso potencial de tecnologias para “reduzir”, ou seja, capturar suas emissões, em vez de acabar completamente com o uso desses combustíveis.

Afirmando que “a redução gradual dos combustíveis fósseis é inevitável”, o novo presidente da COP28 dos Emirados Árabes Unidos, Sultan Al Jaber, disse à cúpula:

“Ao construirmos um sistema de energia livre de todos os combustíveis fósseis unabated (produzidos sem intervenções para reduzir a emissão de gases do efeito estufa), inclusive o carvão, devemos descarbonizar de forma rápida e abrangente as energias que usamos hoje”.

A China, o maior consumidor de combustíveis fósseis do mundo, está entre os que sinalizam que pretendem continuar a usá-los por décadas.

Os Estados Unidos afirmaram que apoiam a eliminação gradual dos combustíveis fósseis unabated – ao mesmo tempo em que reconhecem planos de alguns países em desenvolvimento de investir neles no curto prazo – embora o enviado climático dos Estados Unidos, John Kerry, tenha questionado se as tecnologias de captura de emissões podem ser ampliadas com rapidez suficiente.

Embora um pacto na COP28 para reduzir o uso de combustível fóssil não levaria a um abandono imediato do petróleo e do gás, a União Europeia e outros apoiadores afirmam que ele é vital para orientar as políticas e os investimentos nacionais, afastando-os da energia poluente.

“Não é que isso vá acontecer amanhã”, disse à Reuters a ministra do clima da Espanha, Teresa Ribera. “Mas precisamos garantir que estamos criando as condições para que isso seja possível.”

Guerra de palavras

Dadas as divisões sobre o futuro dos combustíveis fósseis desde que mais de 80 países pressionaram, sem sucesso, por um acordo sobre uma redução gradual na cúpula da COP27 do ano passado, os negociadores estão recorrendo a novas terminologias em busca de um compromisso.

No que em abril parecia ser um possível avanço, o Grupo dos Sete países mais industrializados concordou em acelerar a “eliminação progressiva dos combustíveis fósseis unabated”.

Ao inserir o termo unabated (sem abatimento) depois de ‘combustíveis fósseis’, o compromisso visava apenas os combustíveis queimados sem tecnologia de captura de emissões.

Mas em julho, o compromisso fracassou, uma vez que o G20 – que inclui produtores de petróleo e gás como a Arábia Saudita e a Rússia – não conseguiu chegar a um consenso sobre a questão.

O Ministro do Clima da Irlanda, Eamon Ryan, disse que a questão da eliminação gradual de todos os combustíveis fósseis ou apenas das emissões será provavelmente a questão mais complicada da COP28.

“Algumas pessoas temem, com razão, que isso possa ser apenas uma carta branca para continuar a exploração de petróleo, gás e carvão”, disse Ryan à Reuters, sobre o debate em torno da tecnologia de captura de emissões.

Grupos do setor de petróleo e gás, como o American Petroleum Institute, afirmaram que o mundo precisará de tecnologias para fornecer “mais energia com menos emissões”

Na União Africana, alguns governos acusaram o Ocidente de hipocrisia por usar argumentos climáticos para recusar o financiamento de projetos de combustível em países em desenvolvimento, enquanto continuam a queimar combustível em seus países.

O chefe da Agência Internacional de Energia disse este mês que a demanda por carvão, gás e petróleo atingirá seu pico até 2030, à medida que a capacidade de energia renovável cresce.

“Deixe de lado o risco climático. Agora há um risco comercial”, disse Fatih Birol em um evento organizado pela Fundação Rockefeller. Ele pediu aos países que parem de fazer novos investimentos em carvão, petróleo e gás.

Os comentários provocaram a ira da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), que contestou as projeções de Birol por não incluírem as possibilidades de captura de emissões e descreveu como “perigoso” seu pedido de fim de novos investimentos

A Aliança de Pequenos Estados Insulares, cujos membros enfrentam tempestades causadas pelo clima e perda de terras devido à elevação do nível dos mares, quer a eliminação gradual dos combustíveis fósseis e o fim dos US$ 7 trilhões em gastos anuais dos governos para subsidiar combustíveis fósseis.

*É proibida a reprodução deste conteúdo

As informações e opiniões são de responsabilidade da Agência Brasil – EBC.

Continue Reading

Mundo

Lula assina acordos de defesa, educação e agricultura com Vietnã

Published

on

By

Corpo da menina Eloah será enterrado nesta segunda-feira

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu, nesta segunda-feira (25) – em visita oficial – o primeiro-ministro do Vietnã, Pham Mihn Chinh, no Palácio do Itamaraty, em Brasília. Durante o encontro, representantes dos dois governos assinaram quatro instrumentos bilaterais.

Em declaração à imprensa após a reunião, Lula disse  que aceitou convite para ir a Hanói, capital vietnamita, em 2024, celebrar os 35 anos do estabelecimento das relações diplomáticas entre o Brasil e o Vietnã.

O primeiro documento assinado hoje foi um acordo de cooperação educacional, que, segundo Lula, vai possibilitar a mobilidade de estudantes entre os países. “Mais de 18 mil estudantes, de 71 países, já participaram dos programas do governo federal de graduação e pós-graduação para estrangeiros”, destacou o presidente.

Na área de agricultura, foi firmado um plano de ação para ampliar a cooperação entre os dois países. “Ele vai permitir avançar na abertura do mercado vietnamita para novos produtos agropecuários brasileiros”, disse Lula.

Também foi firmado um memorando de entendimento na área de defesa, que visa abrir caminho para exportações de produtos como aeronaves, e foi adotado um plano de trabalho para cooperação entre academias diplomáticas.

Segundo o presidente da República, estão avançadas as tratativas para cooperação na área de ciência, tecnologia e inovação.

A ministra da Ciência, Tecnologia e Inovação, Luciana Santos, irá ao Vietnã em novembro para fazer a primeira reunião da Comissão Conjunta de Ciência e Tecnologia. “Há potencial para iniciativas conjuntas em inteligência artificial e startups”, explicou.

Governança global

O presidente Lula agradeceu o apoio do Vietnã ao pleito do Brasil por um assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas. O tema vem sendo recorrente na agenda presidencial. Lula defende maior representatividade de países em desenvolvimento nas instâncias multilaterais.

“Somos dois países do Sul Global comprometidos com a paz, o multilateralismo, o desenvolvimento sustentável e o combate à fome e à pobreza. Desejamos maior representatividade na governança internacional”, destacou Lula.

“Todo mundo sabe o desempenho que o Brasil está fazendo, há muito tempo, para que a gente possa ter uma governança global mais ativa, mais representativa e com muito mais poder decisório, sobretudo quando se trata de conflitos ou da questão climática”, acrescentou o presidente.

Comércio

É a primeira visita de uma alta autoridade vietnamita ao Brasil em 15 anos. Além dos temas da agenda bilateral, os mandatários abordaram questões regionais, como a aproximação entre a Associação das Nações do Sudeste Asiático (Asean) e o Mercosul.

Segundo Lula, foi discutido o interesse do Vietnã de celebrar um acordo comercial com o Mercosul. Ele se comprometeu a levar o tema a parceiros sul-americanos, aproveitando a presidência brasileira no bloco.

“É do nosso interesse aproximar o Mercosul da Asean. Os países do Sudeste Asiático correspondem a quase 6,5% do PIB [Produto Interno Bruto] mundial em paridade de poder de compra. As exportações brasileiras para o conjunto de países do Sudeste Asiático já somam metade do que exportamos para a União Europeia”, acentuou.

Em breve, o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, deve ir à Indonésia para discutir um plano de ação para a cooperação entre o Brasil e a Asean.

Em 2022, o comércio bilateral atingiu o recorde de US$ 6,4 bilhões. As exportações brasileiras somaram US$ 3,4 bilhões e as importações ultrapassaram US$ 2,9 bilhões. O Brasil é o principal fornecedor de soja e carne suína e o segundo maior de carne de frango e algodão para o Vietnã.

“O Vietnã é o sexto maior mercado de produtos do agronegócio brasileiro. Queremos expandir esse fluxo, e também diversificá-lo, com mais produtos de alto valor agregado”, garantiu Lula.

Ainda nesta segunda-feira, o primeiro-ministro Pham Minh Chinh fará uma palestra no Itamaraty sobre as perspectivas do Vietnã sobre o Brasil e o mundo.

As informações e opiniões são de responsabilidade da Agência Brasil – EBC.

Continue Reading

⚡EM ALTA